Licensa

22/04/2015

A língua mãe - Manoel de Barros

Não sinto o mesmo gosto nas palavras: 
oiseau e pássaro. 
Embora elas tenham o mesmo sentido. 
Será pelo gosto que vem de mãe? de língua mãe? 
Seria porque eu não tenha amor pela língua 
de Flaubert? 
Mas eu tenho. 
(Faço este registro 
porque tenho a estupefação 
de não sentir com a mesma riqueza as 
palavras oiseau e pássaro) 

Penso que seja porque a palavra pássaro em
mim repercute a infância 
E oiseau não repercute. 
Pensão que a palavra pássaro carrega até hoje 
Nela o menino que ia de tarde pra 
debaixo das árvores a ouvir os pássaros. 
Nas folhas daquelas árvores não tinha oiseaux 
Só tinha pássaros. 
É o que me ocorre sobre língua mãe.
BARROS, M. de. O fazedor de amanhecer. Rio de Janeiro: Salamandra, 2001. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário