Licensa

15/01/2015

A ESCOLA DA MESTRA SILVINA - Por Cora Coralina


Minha escola primária... 
Escola antiga de antiga mestra. 
Repartida em dois períodos 
para a mesma meninada, 
das 8 às 11, da 1 às 4. 
Nem recreio, nem exames. 
Nem notas, nem férias. 
Sem cânticos, sem merenda... 
Digo mal - sempre havia 
distribuídos 
alguns bolos de palmatória... 
A granel? 
Não, que a Mestra 
era boa, velha, cansada, aposentada. 
Tinha já ensinado a uma geração 
antes da minha. 
A gente chegava “- Bença, Mestra.” 
Sentava em bancos compridos, 
escorridos, sem encosto. 
Lia alto lições de rotina: 
o velho abecedário, 
lição salteada. 
Aprendia a soletrar. 
Vinham depois: 
Primeiro, segundo, 
terceiro e quarto livros 
do erudito pedagogo 
Abílio César Borges - 
Barão de Macaúbas. 
E as máximas sapientes 
do Marquês de Maricá. 

Não se usava quadro-negro. 
As contas se faziam 
em pequenas lousas 
individuais. 

Não havia chamada 
e sim o ritual 
de entradas, compassadas. 
“- Bença, Mestra...” 

Banco dos meninos. 
Banco das meninas. 
Tudo muito sério. 
Não se brincava. 
Muito respeito. 
Leitura alta. 
Soletrava-se. 
Cobria-se o debuxo. 
Dava-se a lição. 

Tinha dia certo de argumento 
com a palmatória pedagógica 
em cena. 
Cantava-se em coro a velha tabuada. 
Velhos colegas daquele tempo... 
Onde andam vocês? 

A casa da escola inda é a mesma. 
- Quanta saudade quando passo ali! 
Rua Direita, nº 13. 
Porta de rua pesada, 
escorada com a mesma pedra 
da nossa infância. 

Porta do meio, sempre fechada. 
Corredor de lajes 
e um cheirinho de rabugem 
dos cachorros de Samélia. 
À direita - sala de aulas. 
Janelas de rótulas. 
Mesorra escura 
toda manchada de tinta 
das escritas. 
Altos na parede, dois retratos: 
Deodoro, Floriano. 

Num prego de forja, saliente na parede, 
estirava-se a palmatória. 
Porta de dentro abrindo 
numa alcova escura. 
Um velhíssimo armário. 
Canastras tacheadas. 
Um pote d’água. 
Um prato de ferro. 
Uma velha caneca, coletiva, 
enferrujada. 
Minha escola da Mestra Silvina... 
Silvina Ermelinda Xavier de Brito. 
Era todo o nome dela. 

Velhos colegas daquele tempo, 
onde andam vocês? 

Sempre que passo pela casa 
me parece ver a Mestra, 
nas rótulas. 
Mentalmente beijo-lhe a mão. 
“- Bença, Mestra.” 
E faço a chamada de saudade 
dos colegas: 
Juca Albernaz, Antônio, 
João de Araújo, Rufo. 
Apulcro de Alencastro, 
Vítor de Carvalho Ramos. 
Hugo da Tropas e Boiadas. 
Benjamim Vieira. 
Antônio Rizzo. 
Leão Caiado, Orestes de Carvalho. 
Natanael Lafaiete Póvoa. 
Marica. Albertina Camargo. 
Breno - “Escuto e tua voz vai 
se apagando com um dolente ciciar 
de prece”. 
Alberico, Plínio e Dante Camargo. 
Guigui e Minguito 
de Totó dos Anjos. 
Zoilo Remígio. 
Zelma Abrantes. 
Joana e Mariquinha Milamexa. 
Marica Albertina Camargo. 
Zu, Maria Djanira, Adília. 
Genoveva, Amintas e Teomília. 
Alcides e Magnólia Craveiro. 
Pequetita e Argentina Remígio. 
Olímpia e Clotilde de Bastos. 
Luisita e Fani. 
Nicoleta e Olga Bonsolhos. 
Laura Nunes. 
Adélia Azeredo. 
Minha irmã Helena. 
(Eu era Aninha.) 
Velhos colegas daquele tempo. 
Quantos de vocês respondem 
esta chamada de saudades 
e se lembram da velha escola? 

E a Mestra?... 
Está no Céu. 
Tem nas mãos um grande livro de ouro 
e ensina a soletrar 
aos anjos. 

©CORA CORALINA 
In Poema dos Becos de Goiás e Estórias Mais, 1965 

Nenhum comentário:

Postar um comentário