Licensa

20/09/2014

"Classificados Poéticos" de Roseana Murray

Vende-se uma casa encantada
no topo da mais alta montanha.
Tem dois amplos salões
onde você poderá oferecer banquetes
para os duendes e anões
que moram na floresta ao lado.
Tem jardineiras nas janelas,
onde convém plantar margaridas.

Tem quartos de todas as cores
que aumentam ou diminuem
de acordo com o seu tamanho
e na garagem há vagas
para todos os seus sonhos.
O "tem" aparece três vezes reforçando a aliteração, indicando posse, e contribuindo para projetar a descrição. Assemelha-se muito ao anúncio diário, que no caso de venda de um imóvel, por exemplo, também irá descrever o que ele tem de mais atrativo, para despertar o interesse do possível comprador ou locatário. Quanto mais descritivo for o anúncio, maior será a probabilidade de atingir o seu objetivo.

Ao indicar: "no topo da mais alta montanha", "moram na floresta ao lado", há uma expectativa de situar quem está lendo, num espaço concreto. Sem perder o foco, ela brinca com a antítese, valorizando o tamanho, como em: "alta montanha" – "anões e duendes" (baixa estatura). "aumentam ou diminuem", "amplos salões"; e ressalta a sonoridade nos versos com a assonância.

A relação com o leitor torna-se cada vez mais estreita quando cita: "Tem jardineiras nas janelas onde convém plantar margaridas". O aconselhamento sugere esta relação de intimidade, as margaridas simbolizam a delicadeza, a sensibilidade, a simplicidade.

No último verso, ela dá ênfase à multiplicidade de opções que o homem tem para ser feliz. No trecho: "tem quartos de todas as cores", estes, simbolicamente podem ser comparados aos diferentes caminhos que vão levar a felicidade. Os "sonhos" vão adequar-se ao desejo de cada um, como é ressaltado em: "e na garagem há vagas para todos os seus sonhos".

Ao longo desta análise estilística, observamos que, apesar de o livro Classificados Poéticos ter sido publicado há 22 anos, ainda é atual. O homem continua destruindo a natureza, matando animais, matando outros homens, ainda há engarrafamentos...

Em alguns momentos encontramos uma subjetividade mais acentuada que obteve reforço nos indicadores de tempo e lugar. Todo o sentimento passado na poesia de suas palavras demonstrou o interesse em estar o mais próxima possível daquele que compartilha de suas experiências, das alegrias e das tristezas, das perdas e ganhos e não podia ser diferente, uma "ponte" foi construída entre a autora e o leitor.

Percebemos que Roseana demonstrou um estilo voltado para a relação estabelecida entre o desejo e a emoção, sem esquecer de enriquecer o conteúdo com doses de sabedoria. Estilisticamente esse fragmento do livro enquadra-se na definição de Mattoso Câmara Júnior: "Estilo é a linguagem que transcende do plano intelectivo para carrear a emoção e a vontade".

Referências
BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37 ed. Rio de Janeiro, Lucerna, 2005.
CÂMARA JR, J. Mattoso. Contribuição à estilística portuguesa. Rio de Janeiro, Ao livro Técnico. 1977.
CRESSOT, Marcel. O estilo e suas técnicas. São Paulo. Martins Fontes. p.13-21.
GALVÃO, Jesus Bello. Subconsciência e afetividade na língua portuguesa. Rio de Janeiro. Ao livro técnico. 1979, p.55-84.
LAPA, M. Rodrigues. Estilística da língua portuguesa. São Paulo. Martins Fontes, 1991.
MARTINS, Nilce Sant'Anna. Introdução à estilística. São Paulo. T.A. Queiroz. p.189-218
MURRAY, Roseana. Classificados Poéticos. São Paulo. Companhia Editora Nacional. 2004.

Nenhum comentário:

Postar um comentário