Licensa

07/05/2014

Quando os outros incomodam

Jung chamou de sombra todos os aspectos da nossa personalidade que foram reprimidos.
Tendemos a reprimir os aspectos que nos atrapalham na adaptação ao mundo e também, aquelas características que são moralmente inaceitáveis.
Tudo o que é reprimido e desconhecido na nossa personalidade tende a ser projetado no mundo e projeção vem sempre carregada de muita emoção. Tanto o amor quanto o ódio apontam para aspectos da nossa personalidade que estamos enxergando nos outros.
Por isso, o que nos chama a atenção em outras pessoas é sempre uma boa pista sobre os aspectos que não conhecemos e não aceitamos em nós mesmos.
Assim acontece quando os outros nos incomodam. Como não aceitamos os lados sombrios em nós, não os aceitamos nas outras pessoas. É por isso que Jung sugeria escrevermos um texto sobre as características das pessoas que nos incomodam e, ao terminar, voltar ao início da página intitulando, “Eu sou assim”, dois pontos…
É para ler e reler, muitas e muitas vezes, apesar dos arrepios.
Observe como, apesar de não concordarmos com certos modelos, as pessoas que são coerentes e assumidas tendem a não incomodar. Isso porque incoerência aponta para a sombra, pois é o resultado da luta entre o que somos e o que gostaríamos de ser. A incoerência alheia nos remete à nossa própria batalha entre esconder de nós mesmos e dos outros o que realmente somos e por isso, irrita um pouco (e às vezes muito).
Podemos, então, usar o que nos incomoda ao nosso favor. Quanto mais flagramos e aceitamos os nossos lados que não consideramos tão nobres, mais os aceitamos nos outros.Assim, nos tornamos mais humanos. Fonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário