Licensa

10/02/2013

Tempo de qualidade e futuro

“O futuro nada mais é do que a resultante do que vimos criando coletivamente. Muito do que estará acontecendo em 20 anos já vem sendo moldado há décadas. Temos condições de mudar o curso dos acontecimentos?” 
Oscar Motomura
Sabemos que futuro é esse, que vem sendo moldado? Na verdade, sim. Sabemos as condições em que o planeta se encontra. Sabemos que a violência continua fragmentando a sociedade. Sabemos que o modo de vida e o tipo de consumo que se multiplica pelo mundo todo não são sustentáveis. 

A mesma mente que sabe também racionaliza. Postergamos ações que curam. E justificamos. E todos fingimos acreditar. Num imenso jogo de ilusões. O que está na base de tudo isso também sabemos: o egoísmo e a falta de desprendimento dos que têm muito, a ganância e a ambição desmedida de alguns, a manipulação das instituições, a deterioração dos valores, a busca de crescimento ilimitado num mundo com recursos finitos... Mas por que racionalizamos e por que não agimos rapidamente na direção da cura? 

A resposta a essa questão pode estar muito perto de nós. Tudo isso que vemos no macro talvez esteja acontecendo no micro. Em nossa vida pessoal, insistimos num modo de vida não saudável... Sabemos o que temos que fazer e não fazemos. Nas empresas, idem. Vamos nos acostumando com um jeito de atuar também não saudável: muito estresse, excesso de competição, fragmentação de todo tipo, ações predatórias... 

Para agir antes do ponto de colapso, será preciso romper algumas barreiras muito poderosas. A mais relevante delas é a do “piloto automático”. Tudo em nossa vida “está em marcha”. Há uma rotina, os tempos estão alocados, as pessoas atuam dentro de processos estabelecidos. Não sobra quase tempo de qualidade para o diferente. O mesmo acontece em nossas empresas e na sociedade. Fazer toda a rotina estabelecida mudar e dar uma guinada requer energia. Em certos casos, muita energia, tempo, recursos. Energia extra. Ou seja, em adição a toda energia e recursos que alocamos ao “piloto automático” da vida cotidiana. Tudo o que é preciso para curar nosso modo de viver exige doses maciças de investimento, a dedicação integral de nossos melhores talentos. E principalmente: tempo de qualidade. Sem essa dose maciça de energia, o “transatlântico” não mudará seu curso e continuará no “piloto automático”, rumo a um futuro que ninguém deseja. 

Quando você fará seu sabático para repensar seu modo de vida e dar a guinada necessária? Sua empresa estaria disposta a investir um grande volume de recursos extras e formar uma super equipe de talentos sênior para ficar seis meses, dez horas por dia, focado na reinvenção do transatlântico? Os mais de duzentos países do mundo estão a fim de alocar centenas de bilhões e até trilhões em recursos e seus melhores líderes e cérebros por alguns anos em tempo integral, para idealizar e fazer acontecer a guinada que o mundo precisa dar...? Na cultura que criamos em nossas organizações, tudo precisa ser resolvido em breves reuniões ou em retiros de poucos dias... Estamos nos enganando. Nossos maiores desafios jamais serão superados se não houver energia em quantidade proporcional à magnitude dos problemas que queremos resolver...

Nenhum comentário:

Postar um comentário