Licensa

16/09/2012

Socialização de Saberes - Viva as Diferenças!

A Prefeitura de Marília, por meio da SME (Secretaria Municipal da Educação), realizou de 10 a 14 de setembro, a 4º edição da Semana de Socialização de Saberes, dos Educadores da Rede Municipal de Ensino, que reuniu professores da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, coordenadores e diretores de escola.
O objetivo foi difundir as boas práticas pedagógicas e projetos desenvolvidos pelas escolas para toda a Rede Municipal de Ensino, além de democratizar o conhecimento e propor reflexões. O evento contou também com uma vasta exposição dos materiais pedagógicos elaborados pelos alunos e docentes em salas de aula, nas 50 unidades escolares. Fonte
Nossa escola apresentou o trabalho desenvolvido com um aluno portador da Síndrome de Dandy Walker.
A síndrome ou má formação de Dandy Walker (sdw) é uma anomalia congênita do sistema nervoso central que compromete especialmente o cerebelo.
Os sintomas podem surgir de forma aguda ou lenta. Em geral iniciam nos primeiros anos, com atraso do desenvolvimento neuromotor e aumento do crânio. Com a evolução costumam aparecer sinais de hipertensão intracraniana, com irritabilidade, vômitos e convulsões, além de disfunção do cerebelo, com incoordenação motora, ataxia (incapacidade de coordenação dos movimentos musculares voluntários), instabilidade de marcha e movimentos anormais dos olhos. (...)
Professora Flávia Simone Rodolfo da Silveira intitulada: “Viva as diferenças”! 
"Experiência não se troca, vive-se. Saber não se impõe, socializa-se"
Prof. Feijão/2012
Esse quadro coloca em evidência vários fenômenos importantes. Em primeiro lugar, todos os saberes nele identificados são realmente usados pelos professores no contexto de sua profissão e da sala de aula. De fato, os professores utilizam constantemente seus conhecimentos pessoais e um saber-fazer personalizado, trabalham com os programas e livros didáticos, baseiam-se em saberes escolares relativos às matérias ensinadas, fiam-se em sua própria experiência e retêm certos elementos de sua formação profissional. Além disso, esse quadro registra a natureza social do saber profissional: pode-se constatar que os diversos saberes dos professores estão longe de serem todos produzidos diretamente por eles, que vários deles são de um certo modo "exteriores" ao ofício de ensinar, pois provêm de lugares sociais anteriores à carreira propriamente dita ou fora do trabalho cotidiano. Por exemplo, alguns provêm da família do professor, da escola que o formou e de sua cultura pessoal; outros vêm das universidades; outros são decorrentes da instituição ou do estabelecimento de ensino (programas, regras, princípios pedagógicos, objetivos, finalidades etc.); outros, ainda, provêm dos pares, dos cursos de reciclagem etc. Nesse sentido, o saber profissional está, de um certo modo, na confluência entre várias fontes de saberes provenientes da história de vida individual, da sociedade, da instituição escolar, dos outros atores educativos, dos lugares de formação etc. Fonte
Exposição da nossa escola
Exposição Pedagógica da Rede Municipal de Marília
(...) um professor "não pensa somente com a cabeça", mas "com a vida", com o que foi, com o que viveu, com aquilo que acumulou em termos de experiência de vida, em termos de lastro de certezas. Em suma, ele pensa a partir de sua história de vida não somente intelectual, no sentido rigoroso do termo, mas também emocional, afetiva, pessoal e interpessoal. Desse ponto de vista, convém ultrapassar a visão epistemológica canônica do "sujeito e do objeto", se quisermos compreender os saberes do professor. O professor não é somente um "sujeito epistêmico" que se coloca diante do mundo em uma relação estrita de conhecimento, que "processa" informações extraídas do "objeto" (um contexto, uma situação, pessoas etc.) através de seu sistema cognitivo, indo buscar, por exemplo, em sua memória, esquemas, procedimentos, representações a partir dos quais organiza as novas informações. Ele é um "sujeito existencial" no sentido forte da tradição fenomenológica e hermenêutica, isto é, um "ser-no-mundo", um Dasein (Heidegger 1927), uma pessoa completa, com seu corpo, suas emoções, sua linguagem, seu relacionamento com os outros e consigo mesmo. Ele é uma pessoa comprometida em e por sua própria história - pessoal, familiar, escolar, social - que lhe proporciona um lastro de certezas a partir das quais ele compreende e interpreta as novas situações que o afetam e constrói, por meio de suas próprias ações, a continuação de sua história. (...) Fonte

4 comentários:

  1. Oi Rose...valeu a visita e parabéns pelo trabalho. Sempre que precisar visite nosso Blog.Temos bastante coisa legal. É só copiar, imprimir e usar. Abraços! Prof. Adilson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Digo o mesmo!!!
      Fico feliz em haver trocas entre as escolas... isso só nos enriquece!
      Obrigado pela visita. Volte sempre!
      Rose

      Excluir
  2. Anônimo17.9.12

    Rose, a apresentação da Profª Flávia foi realmente emocionante!
    Parabéns a todos pelo trabalho.
    Helter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado!!!!!
      Tenho muito orgulho desta equipe...
      Obrigado também pela visita!
      Beijos
      Rose

      Excluir