Licensa

16/07/2012

O GUARDA-CHUVA VERDE - Yun Dong-Jae

A caminho da escola, uma jovem chamada Young-i se depara com o preconceito e a discriminação. A leitura de O guarda-chuva verde inquieta e faz refletir sobre nossas escolhas em situações similares no dia a dia. Como defendemos a qualidade de vida para todos? O tema é atual, tratado com delicadeza e sensibilidade. O livro possui belas ilustrações e promove esperança em atitudes solidárias. Em sala de aula, possibilita a construção dos valores de respeito, responsabilidade e cidadania, entre outros.
“A literatura corresponde a uma necessidade universal que deve ser satisfeita sob pena de mutilar a personalidade, porque pelo fato de dar forma aos sentimentos e à visão do mundo ela nos organiza, nos liberta do caos e portanto nos humaniza. Negar a fruição da literatura é mutilar a nossa humanidade.” 
ANTONIO CANDIDO
(CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: ______. Vários escritos. 4. ed. São Paulo: Duas Cidades, 2004. p. 186.)

“A fruição literária não é um simples ato de consumo, mas uma construção que pressupõe capacitação, experiência. É, pois, necessário deixar de associar a leitura prazerosa à ideia da mera facilidade ou lazer. Na facilidade, não está necessariamente o prazer e, na obrigação, não está necessariamente o desprazer. O prazer pode estar associado à realização.”
LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
(BRITTO, Luiz Percival Leme. Sobre o processo de formação do gosto e a constituição do sujeito leitor. Prazer em Ler 2, São Paulo, fev. 2007. p. 26.)
Chove. Há Silêncio - Fernando Pessoa
Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego...

Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece...

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente...

Nenhum comentário:

Postar um comentário