Licensa

12/07/2012

André Neves vence o Jabuti com enredo africano


Porto Alegre / RS / Brasil
Autor de mais de 30 livros, André Neves soube há dias que o seu “Obax” é o vencedor do Prêmio Jabuti desse ano. Lançado pela Brinque-Book, o livro infantil conta a história de uma menina solitária chamada Obax (seu nome quer dizer “flor” na África ocidental). Ela jura de pés juntos ter assistido a uma chuva de flores. Só que a menina vive com sua família num lugar árido e todos pensam que Obax está inventando história. E agora? Qual será a verdade? "Obax" faz parte da série “Livros animados”, que compõe o material educativo do projeto A Cor da Cultura. André conversou com o nosso site por e-mail. Confira a seguir!
A COR DA CULTURA – Conta pra gente como foi o processo de criação do "Obax"?
ANDRÉ NEVES – Obax surgiu por acaso. Tenho realmente uma pedra que me lembra "só a mim mesmo" um elefante, a chuva de flores sempre permeou meu imaginário. Juntei tudo isso ao apreciar um livro de fotografias sobre essa uma aldeia africana. Me apaixonei visualmente e o imaginário se apresentou.

ACDC – Que mensagem você quis passar para as crianças negras? E para as brancas?
ANDRÉ – Não pensei nem preto nem branco para fazer o livro. Apensas contei e ambientei onde o meu imaginário foi. Daí a cultura de suas cores se apresentaram naturalmente.

ACDC – O que esse prêmio representa às carreiras do livro e sua, de escritor infantil?
ANDRÉ – Recebi com alegria a indicação do prêmio Jabuti. Ganhá-lo qualifica o meu trabalho e motiva a minha vontade de ir além na descoberta de um novo olhar sobre a literatura para infância. Tenho consciência que o prêmio literário mais prestigiado e antigo na história do nosso país imprime com seriedade o potencial dos indicados, apontando seus valores de amadurecimento dentro de uma linguagem criativa. Mas um Jabuti antes de tudo é um Jabuti. Será para sempre parte importante no livro da minha própria história.

ACDC – "Obax" faz parte dos 'Livros animados', do nosso projeto educativo. O que essa parceria trouxe de bom para você?
ANDRÉ – Livros animados é um grande projeto e leva a literatura de uma forma mais leve para os leitores. Hoje, com tantos suportes que a leitura encontra, é importante mostrar o livro e suas mil possibilidades.

ACDC – Você sente vontade de escrever outros livros voltados para as crianças afrodescendentes?
ANDRÉEsse livro não surgiu pela afrodecendência. O que alimenta as minhas criações são imagens. Se eu tivesse visto um livro de fotografias de outra etnia talvez tudo fosse diferente. O livro que me inspirou foi "African canvas, the art of west african women, com fotos de Margaret Courney-Clarke. Meu imaginário é amplo, mas não o forço. Se ele desejar, posso falar sobre brancos, negros, índios, mulatos, cafuzos, albinos, azuis, amarelos, rosas. As pessoas que vivem neste meu mundo têm tantas cores e sou como eles: plural.

ACDC – Já tem em vista novos projetos?
ANDRÉ – Sim, sempre, muitas histórias. Algumas virarão livro. Agora estou envolvido com a chegada de um novo título, meu primeiro de contos, com doze histórias de Maroca e Deolindo e outros personagens.

ACDC – Mais alguma coisa que você ache importante de dizer?
ANDRÉ – Sempre é bom falar sobre livros e leituras. Obrigado por essa oportunidade e aos leitores dessa matéria, meu carinho e respeito. Que o imaginário na leitura seja também parte importante na vida de vocês. fonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário