Licensa

13/06/2012

A TERAPIA DA LEITURA - Angela Lago

"Sofro por causa do meu espírito de colecionador-arqueólogo. Quero pôr o bonito numa caixa com chave para abrir de vez em quando e olhar."
Adélia Prado



"Fui convidada a falar aqui sobre os aspectos psicológicos da literatura infantil e juvenil, mas gostaria de falar um pouco sobre a leitura de uma maneira geral, como um dos caminhos para o conhecer-se a si mesmo. A semana passada participei de uma mesa no Instituto de Estudos Psicanalíticos onde me perguntaram qual minha posição em relação a psicanálise. Embora reconheça a enorme importância da psicanálise como uma possibilidade de leitura do universo humano, tive que confessar que pessoalmente prefiro ler romances. Sim, prefiro ler romances, não só pelo profundo prazer que tenho em ler, o que já faz, no meu caso, a leitura ser minha melhor terapia, mas também porque acredito poder me conhecer melhor, cada vez que conheço um personagem, compreendo melhor uma emoção, entendo uma maneira de agir. E digo o mesmo da poesia. A poesia me ensina quem eu sou, ao mesmo tempo que me socorre e me ampara com o consolo da beleza. Esta é a minha experiência do prazer estético: " um anjo vem a minha mesa" (Rilke). Um anjo coloca sua mão apaziguadora sobre a minha testa. 



Que posso eu, viciada em livros como sou, repetir aqui, senão que a literatura é terapêutica? Todos nós sabemos que ouvir histórias é parte importante do tratamento médico em algumas culturas. Lembremos na literatura árabe, Sherazade, que consegue curar um assassino resentido que matava uma donzela por dia, com apenas 1001 e uma noites de histórias. Isto dá pouco mais de três anos. Se me permitem brincar, conheço pessoas que não mataram nenhuma de suas mulheres e que fazem psicanálise há nove, ainda sem alta. 



A literatura é ainda uma terapia muito econômica, sobretudo se considerarmos a possibilidade de utilizar nossas bibliotecas. Além do mais, como existem milhares de livros, nós não somos obrigados a tomar nenhum remédio até o fim. Se acontecer a síndrome da página 3 ou 21, uma sonolência repentina, uma dificuldade de concentrar a atenção, basta deixar este livro de lado e buscar outro. Não há porque fazer do prazer um sacrifício. 



Dizem que conselho ilumina, mas não aquece, e me sinto um pouco canhestra falando do meu receituário particular. Mas gostaria ainda de fazer o elogio dos contos de fada, leitura que reservo para os meus momentos mais difíceis e dolorosos, desde menina até hoje. Acredito que estes contos concentram a mais profunda sabedoria da psique humana. Acredito ainda que esta sabedoria nos é passada de graça e que não há nenhuma necessidade de decifrá-los. Dentro de nós, um saber que não precisa das palavras, é capaz de compreendê-los. Mas se buscamos um sentido para nossa vida, estes contos claramente nos dão: eles nos falam que vale apenas atravessar as montanhas, os perigos, em busca do encontro amoroso, a maior recompensa da aventura humana".

Angela- Lago / Mesa redonda: aspectos psicológicos da literatura infantil e juvenil / BH, junho de 1986

Angela Lago - Entrelinhas 11/12/2011

Um dos nomes mais importantes da literatura infanto juvenil brasileira, a mineira Angela Lago é uma escritora que ilustra os próprios livros e uma ilustradora de narrativas sem palavras.
Entrevista com Angela Lago - Jogo de Ideias
Trecho de entrevista com Angela Lago para o Jogo de Ideias, programa de TV do Itaú Cultural com convidados da música, da literatura, do teatro, da educação, entre outras áreas.
Apresentação e direção: Claudiney Ferreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário