Licensa

02/06/2012

Coleção Querido Diário Otário

Querido Diário Otário (título original: Dear Dumb Diary) é uma série de livros do gênero infanto-juvenil do escritor e ilustrador estadunidense Jim Benton, publicada pela editora Scholastic. Aqui no Brasil a série é publicada pela Editora Fundamento. A série consiste dos livros:
1. Querido Diário Otário: É Melhor Fingir Que Isso Nunca Aconteceu - 2006
2. Querido Diário Otário, Tem Um Fantasma Na Minha Calça - 2006
3. Querido Diário Otário, Eu Sou A Princesa ou o Sapo? - 2007
4. Querido Diário Otário, Nunca Faça Nada, Nunca - 2007
5. Querido Diário Otário, Os Adultos Podem Virar Gente? - 2008
6. Querido Diário Otário, O Problema Desse Lugar É Que É Daqui Que Eu Vim - 2008
7. Nunca subestime a sua idiotice - 2009
8. Não é minha culpa se eu sei de tudo - 2009
9. É para isso que NÃO servem os amigos - 2010
10. As piores coisas da vida também são de graça - 2010
11. Pois é, acho que tenho super poderes. - 2010
12. Eu! Igualzinha a você, só que melhor. - 2010
13. Nosso Diário Otário - 2010
Essa coleção de livros descreve a vida de Jamie Kelly, uma menina que mora com sua mãe, uma péssima cozinheira, seu pai e seu cachorro Fedido, um beagle com um odor desagradável, que brinca e namora seu brinquedinho "Nojogosma", chamado assim por Jamie. Também vive com ela a filha do Fedido, Fedidita, que tem como mãe Framboesa, a cadela de Angelina, que também teve mais filhotes. Ela estuda no Colégio Mackerel, onde ela conheceu Isabella Vinchella, uma garota de sua idade (12 anos) que na maioria das situações aparece como "malvada" ou "cruel". Sua principal característica são seus óculos e cabeça redondos. Lá, ela também conheceu Angelina, uma menina loira e "gloriosamente" bonita que Jamie odeia. Angelina, porém, se mostra melhor que Isabella em algumas partes. Tem também Lucas Ribas, o "8º garoto mais bonito da escola", por quem Jamie é apaixonada. A escola tem personagens secundários como Mario Pinsetti (inventor de apelidos constrangedores cheio de espinhas), Michelle (comedora de lápis), Emilly (Menina gentil demais e que não pensa) e alguns outros.
Oi, pessoal!
Uma das séries mais hilárias publicadas pela Fundamento, Querido Diário Otário, está de volta! Isso mesmo: Jamie Kelly, a dona do diário mais divertido do mundo, vai continuar a mostrar para a gente os seus segredos, seus pensamentos mais profundos e todas as ideias maravilhosas (ou, melhor dizendo, malucas) que ela tem a cada cinco minutos. Se você estava sentindo falta de dar altas gargalhadas com as loucuras da Jamie, pode ficar tranquilo – o primeiro livro do segundo ano da série, Escola, Será que Já Não Chega?, estará disponível em nossa loja virtual (clique aqui para ver) e nas livrarias do país a partir da metade deste mês.
Para que serve a matemática? Não seria melhor ter aulas só das matérias em que arrasamos, como redação? Até as pessoas mais bocós podem surpreender e se dar bem com os números? Essas são só algumas das perguntas que a Jamie vai responder neste livro. E você quer saber as respostas, né?
Fique com um trecho de Escola, Será que Já Não Chega? – (...) fonte
Colocarei um trecho do livro acima para que possamos refletir sobre o funcionamento da escola (...)
"Uma das conclusões a que se chega, diante do estado de coisas vigente no campo da alfabetização, é que ainda não conhecemos a criança brasileira, ignoramos o que ela sabe e conhece, suas capacidades e habilidades, e continuamos a adiar a implantação de um projeto político comprometido com as classes populares e com a reformulação das visões ideológicas que organizam a vida cotidiana da escola e da prática escolar. Ainda estamos protegidos pelo discurso ideológico sobre as supostas defasagens cognitivas das crianças pobres, supostas diferenças de socialização e inadequação da escola para recebê-las, por serem possuidoras de pretensos ritmos diferentes, de uma linguagem que ninguém entenderia e de comportamentos desadaptados às exigências escolares". (Sawaia, 2000: 79)
SAWAYA, S. M. –Alfabetização e fracasso escolar: problematizando alguns pressupostos da concepção construtivista, Revista Educação e Pesquisa, S.P, USP, V. 26, Jan/Jun 2000.
"Os dispositivos didáticos melhor elaborados, irão chocar-se com uma parede, se o aluno sentir-se mal reconhecido, mal-amado, maltratado, se a aprendizagem separá-lo de seus próximos ou mergulhá-lo em tensões ou em angústias, ou até mesmo se ele não encontrar prazer nisso". (Perrenoud, 2000: 48)
PERRENOUD, P. - Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas, Porto Alegre, Editora Artes Médicas, 1999.
HAICAI - Lena Jesus Ponte
Porta entreaberta.
Um vento assalta papéis
e rouba poesias.

Um comentário:

  1. Anônimo17.12.13

    Oi, meu nome é Lara, tenho 12 anos e estou realmente LOUCA para ler " meu querido diário otário 2- tem um fantasma na minha calça" então flor, se puder passar o link pra ler online ou baixar, eu agradeço MUITO!
    beijinhos #Larinha

    ResponderExcluir