Licensa

05/05/2012

Campanha publicitária do Citibank em São Paulo através de Outdoors

23 sp capital padrao1   Campanha publicitária do Citibank em São Paulo através de Outdoors
“Dinheiro só chama dinheiro, não chama para um cineminha, nem para tomar um sorvete.”
“Não deixe que o trabalho sobre sua mesa tampe a vista da janela.”
citibank 2006 outdoor 01   Campanha publicitária do Citibank em São Paulo através de Outdoors
“Para cada almoço de negócios, faça um jantar à luz de velas.”
“Por que as semanas demoram tanto e os anos passam tão rapidinho?”
“Quantas reuniões foram mesmo esta semana? Reúna os amigos.”
“Trabalhe, trabalhe, trabalhe. Mas não se esqueça, vírgulas significam pausas…”
citibank 2006 outdoor 03   Campanha publicitária do Citibank em São Paulo através de Outdoors
“…e quem sabe assim você seja promovido a melhor (amigo / pai / mãe / filho / filha / namorada / namorado / marido / esposa / irmão / irmã.. etc.) do mundo!”
“Você pode dar uma festa sem dinheiro. Mas não sem amigos.”
E para terminar:
“Não eduque seu filho para ser rico, eduque-o para ser feliz. Assim, ele saberá o valor das coisas e não o seu preço.”
“Nem sempre podemos mudar as circunstâncias mas, sempre podemos mudar nossas atitudes em relação a elas.”
windowslivewriteroutdoorprofessor 789aoutdoor 3 Outdoor, professor?
Outdoors transmitem, em sua maioria, mensagens curtas e de rápida assimilação. Seus formatos são variados, mas o tamanho é sempre notável, essa é sua razão de ser.
Independentemente da estética da estrutura e do layout do anúncio, o outdoor tem por objetivo impactar o transeunte, causar interrupção. Interrupção essa, vantajosa para o anunciante e por vezes, incômoda ao cidadão. Claro que com o passar do tempo, aquele objeto estranho se mescla à imagem da cidade, incorporando-se às paisagens corriqueiras e aliviando o peso sobre nossos resmungos.
Explique a seus alunos que nessa propaganda a palavra "coroa" é responsável pela ambiguidade (é a possibilidade de um enunciado ser entendido ou de ser interpretado de mais de uma forma):

1) pode significar mulher de meia idade;
2) coroa de flores.

Levando em conta o contexto no qual a frase se insere, isto é, a propaganda de um plano de assistência funeral, podemos inferir que a segunda opção é a mais coerente. A possibilidade de poder entender a frase de mais de uma maneira cria um efeito humorístico que cativa o consumidor.


Outdoor: trabalhando o duplo sentido
Possibilitar ao aluno reconhecer não só o objetivo comunicativo das propagandas em outdoor, mas também os recursos nela utilizados, como, por exemplo, o duplo sentido, cuja intenção é provocar o humor.

Apresentar alguns exemplos de outdoors. É importante que o professor ouça os comentários dos alunos, mas também faça intervenções pertinentes para que o aluno entenda os recursos utilizados pela propaganda (ambiguidade, humor, etc.)

Discuta questões como:

O público-alvo do anúncio; (para quem é o anúncio: jovens? idosos? mulheres? homens?)

Estratégias argumentativas como ambiguidade, humor, entre outros (como convencem os consumidores a adquirirem aquele produto?)

Imagens (como ela se relaciona com o conteúdo da propaganda?)
velha 2
Nessa propaganda, o humor é causado pelo verbo "perder", que não significa perder o cliente para outra empresa, mas "perdê-lo" para a morte, uma vez que os clientes são, na maioria, idosos.
velho 3
Nessa propaganda, os anunciantes escolheram uma moça jovem para ser a "garota propaganda". Mas os publicitários não deixam de fazer referência à morte, isto é, se o plano de "viver" não der certo, é preciso que o consumidor tenha um seguro de vida.
4
Na primeira propaganda, o efeito de humor é causado por que, como se trata de um plano de assistência funerária, os clientes morrem, de modo que não há como reclamar do serviço prestado em seu funeral.

Na segunda propaganda, a ambiguidade é causada pela palavra "quentinha", que pode ser interpretada como uma novidade "fresca", mas que faz alusão ao serviço de cremação.
Nessa propaganda, a ambiguidade é causada pela expressão "outro lado", que pode ser interpretada como "o outro lado da rua" ou "o outro lado da vida", ou seja, a morte. Com isso, imaginamos que o lugar é uma rua movimentada, na qual provavelmente há muitos atropelamentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário