Licensa

11/05/2012

Amor que sacrifica

Uma senhora que vivia tentando por muitos anos ter um filho, viu seu sonho realizado.
Recebeu dos braços da enfermeira um lindo bebê.
Porém, qual não foi a sua surpresa quando notou que a criança havia nascido sem orelhas.
Preocupada, perguntou ao médico se o menino tinha perfeita audição.
Um exame foi realizado e ficou constatado que o aparelho auditivo era normal.
A mãe, conformada, levou o filho para casa. Seu amor não diminuiu pela criança, mas à medida que esta crescia observava o tratamento que outras crianças lhe davam.
Com freqüência seu filho voltava para casa chorando! Isso era como uma punhalada a ferir e magoar o coração daquela mãe.
Consultou o médico, novamente perguntando se algo poderia ser feito pelo filho. O doutor revelou que se encontrassem alguém que doasse um par de orelhas, poderiam tentar um implante quando o rapaz chegasse aos 21 anos.
Os anos se passaram e um dia os pais revelaram a alvissareira notícia de que tinham encontrado alguém para doar as orelhas.
A operação foi realizada com grande êxito. Qual não era a satisfação e a alegria daquela mãe ao contemplar o jovem, olhando-se no espelho e dizendo:
- Veja, mãe, sou agora como todos os outros rapazes. Voltava-se então, para sua mãe e lhe perguntava:
- Mamãe, quem foi que me doou este par de orelhas?
- Ah! Meu filho, agora não podemos revelar-lhe ma um dia irá saber.
Passaram-se os anos e o jovem casou-se e teve filhos, todos normais.
Certa feita, ocorreu uma das grandes tristezas deste mundo: havia perdido sua mãe.
Na sala funerária, pai e filho, olham pela última vez o corpo inerte, gélido, daquela senhora tão bondosa. Depois que todos saíram, o pai diz ao filho:
- Meu filho, venha comigo despedir-nos de sua mãe.
Ambos se aproximaram do esquife e ali pela última vez o filho contemplou sua querida mãe.
De repente, para surpresa daquele filho, o pai puxa de lado os longos cabelos negros de sua esposa e o filho observa, pela primeira vez que sua mãe não tinha mais orelhas.
Esta é a grande dimensão do Amor! Oferta! Sacrifício!
PRESENTES PREPARADOS PELOS NOSSOS ALUNOS PARA AS MÃES
Oração
Aqui, agora e a sós 
Quero lhe pedir por todas nós 
Por aquelas que foram escolhidas 
Para dar a vida 
Mulheres de todas as espécies 
De todos os credos, raças e nacionalidades 
Todas aquelas nas quais a vida 
Está envolvida em sorrisos, lágrimas, 
tristezas e felicidades 
Aquelas que sofrem por filhos 
que geraram e perderam 
As que trabalham o dia inteiro 
Em casa ou em qualquer emprego 
Quero pedir pelas mães 
Que penam por seus filhos doentes 
Quero pedir pelas meninas carentes 
E pelas que ainda estão dentro de um ventre 
Pelas adolescentes inexperientes 
Pelas velhinhas esquecidas em asilos 
Sem abrigo, sem família, carinho e amigos 
Peço também pelas mulheres enfermas 
Que em algum hospital 
aguardam pela sua hora fatal 
Quero pedir pelas mulheres ricas 
Aquelas que apesar da fortuna 
Vivem aflitas e na amargura 
Peço por almas femininas mesquinhas, 
pequenas e sozinhas 
Por mulheres guerreiras a vida inteira 
Pelas que não têm como dar a seus filhos 
o pão e a educação 
Peço pelas mulheres deficientes 
Pelas inconsequentes 
Rogo pelas condenadas, 
aquelas que vivem enclausuradas 
Por todas que foram obrigadas 
a crescer antes do tempo 
Que foram jogadas na lavoura 
Ou em alguma cama devastadora
Rogo pelas que mendigando nas ruas 
Sobrevivem apesar dessa tortura 
Pelas revoltadas, 
as excluídas e as sexualmente reprimidas 
Peço pela mulher dominadora e pela traidora 
Peço por aquela que sucumbiu sonhos dentro de si 
Por todas que eu já conheci 
Peço por mulheres solitárias e pelas ordinárias 
As mulheres de vida difícil 
e que fazem disso um ofício 
E pelas que se tornaram voluntárias 
por serem solidárias 
Rogo por aquelas que vivem acompanhadas 
Embora tristes e amarguradas 
E por todas que foram abandonadas 
As que tiveram que continuar sozinhas 
Sem um parceiro, um amigo, um ombro querido 
Peço pelas amigas 
Pelas companheiras 
Pelas inimigas 
Pelas irmãs e pelas freiras 
Suplico por aquelas que perderam a fé 
Que se distanciaram da esperança 
Quero pedir por todas que clamam por vingança 
E com isso se perdem em sua inútil andança 
Rogo pelas que correm atrás de justiça 
Que a boa vontade dos homens as assista 
Peço pelas que lutam por causas perdidas 
Pelas escritoras e as doutoras 
Pelas artistas e professoras 
Pelas governantes e pelas menos importantes 
Suplico pelas fêmeas 
que são obrigadas a esconder seus rostos 
E amputadas do prazer vivem no desgosto 
Quero pedir também pelas ignorantes 
E por todas que no momento estão gestantes 
Por aquela mulher triste dentro do coração 
Que vive com a alma mergulhada na solidão 
Por aquela que busca um amor verdadeiro 
Para se entregar de corpo inteiro 
E peço pela que perdeu a emoção 
Aquela que não tem mais paz dentro do coração 
E rogo, imploro, por aquela que ama 
E que não correspondida, vive uma vida sofrida 
Aquela que perdeu o seu amor 
E por isso, sua alma se fechou 
Por todas que a droga destruiu 
Por tantas que o vício denegriu 
Suplico por aquela que foi traída 
Por várias que são humilhadas 
E pelas que foram contaminadas
quero pedir por todas nós 
Que somos o sorriso e a voz 
Que temos o sentimento mais profundo 
Porque fomos escolhidas tanto quanto você 
Para gerar e, apesar de qualquer coisa,
Amar...
Independente de quem forem nossos filhos 
Feios ou bonitos 
Amáveis ou rebeldes 
Perfeitos ou deficientes 
Tristes ou contentes
ajuda-nos a continuar nessa batalha 
Nessa guerra diária 
Nessa luta sem fim 
Ajuda-nos a ser feliz como a gente sempre quis 
Dai-nos coragem para continuar 
Dai-nos saúde para ao menos tentar 
Resignação para tudo aceitar 
Dai-nos força para suportar nossas amarguras 
E apesar de tudo 
continuarmos a ser sinônimo de ternura 
Perdoa-nos por nossos erros 
E por nossos insistentes apelos 
Perdoa-nos também por nossas revoltas 
Nossas lágrimas e nossas derrotas 
E não nos deixe nunca mãe, perdermos a fé 
(...)
Amém!
Silvana Duboc

O melhor trabalho do mundo

"O amor é para sempre"


2 comentários:

  1. Eu fico triste como um pô-d-sol
    quando esfria no fundo da planície
    e se sente a noite entrada
    como uma borboleta pela janela.
    Mas minha tristeza é sossego
    porque é natural e justa
    e é o que deve estar na alma...
    É preciso ser de vez em quando infeliz
    para se poder ser natural.
    Alberto Caeiro

    Não há arte sem tristeza minha amiga. A arte de aceitar, acolher e batalhar para que todos sejamos iguais diante das mais diversas situações. Você, como já disse várias vezes e continuarei dizendo, é a mais especial de todos os especiais. Estou com você nessa luta.
    Feliz dia das mães... de todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida amiga...
      Não sei o que está acontecendo comigo... não sei explicar... só hoje, é a terceira vez que entro nesse blog e percebo que há algum comentário "novo" e, ao lê-los fico profundamente emocionada...
      São tantas pessoas importantes, amigas, valorosas, especiais, sensíveis, carinhosas, etc. etc. etc. reconhecendo meu trabalho, minhas lutas, meu crescimento, minha vontade de acertar, de prosseguir, de fazer o melhor que posso nesse momento, de fazer a diferença, que nem sei se mereço tanto carinho e consideração.
      Só peço a Deus que me fortaleça e oriente sempre para que jamais eu venha a decepcionar a todos vocês. Lembrei-me agora do texto "A arte de envelhecer", acho que é isso que está acontecendo comigo... acredito que estou tirando o melhor proveito possível da maturidade, das oportunidades que a vida está me dando, das pessoas que estão ao meu redor nessa caminhada, das experiências positivas e negativas... da vida!!! Em sua homenagem e em homenagem a todos os grandes amigos que estão me ajudando nessa "jornada" farei a postagem desse texto.
      Muito obrigado por tudo!!! Tenho grande admiração por você também, tanto como pessoa como também como profissional.
      Que Deus te abençoe e proteja sempre.
      Beijos com carinho.
      Rose.

      Excluir