Licensa

03/03/2012

Poema enjoadinho de Vinicius de Moraes - 1990


Ontem postei o vídeo abaixo sem maiores explicações (...). Estava com pressa e resolvi deixar o comentário para depois. Desde que eu era pequena, ouvia esse fragmento do poema de Vinícius, pelos meus pais:
Filhos...Filhos?
Melhor não tê-los!
Mas se não os temos
Como sabê-lo?

Como não podia deixar de ser, ao me tornar mãe, acabei reproduzindo essa fala vez em quando para minha filha. Tempos atrás, ela me questionou: “Mãe, o poema fala só isso”? Sabia que não, mas não o conhecia “de cor”. Pesquisei para apresenta-lo na íntegra a ela.
O autor Vinícius de Moraes diz entre outras coisas: 
Se não os temos
Que de consulta
Quanto silêncio
Como o queremos!

(...)
E então começa
A aporrinhação:
Cocô está branco
Cocô está preto
Bebe amoníaco
Comeu botão.

(...)
Como saber
Que macieza
Nos seus cabelos
Que cheiro morno
Na sua carne
Que gosto doce

Na sua boca!
Na verdade ela descreve o cotidiano da vida dos pais e filhos, intercalando momentos de êxtase e alegria e de preocupação extrema.

Recitado por Paulo Autran - 1990
O texto, muito conhecido, é interessante por ficar se contrariando o tempo todo em relação a ter ou não filhos, coisas do "poetinha" Vinícius de Moraes. A interpretação não podia ser melhor, pelo rei do teatro brasileiro que faleceu há alguns meses. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário