Licensa

31/03/2012

EDUCAÇÃO DE ADULTOS, HOJE. Algumas Reflexões

Apesar de atendermos essa modalidade de ensino em nossa escola, temos feito poucas reflexões a respeito tanto nesse espaço (do Blog) como nos HEC. Jamais passou pela minha cabeça (e acredito que de toda equipe da escola também) que esse grupo mereça menos “preocupação”, “respeito”, “dedicação”, “estudo”, “pesquisa”, etc. Ocorre que as demandas são muitas e o tempo é curto demais (...). Por outro lado, não podemos perder de vista – nunca – que essas pessoas já “perderam” tempo demais em suas vidas e que não podem perder mais (...).
Relógio - Oswald de Andrade
As coisas vão
As coisas vêm
As coisas vão
As coisas
Vão e vêm
Não em vão
As horas
Vão e vêm
Não em vão
A Educação de Adultos é melhor percebida quando a situamos hoje como Educação Popular. (...) O conceito de Educação de Adultos vai se movendo na direção do de educação popular na medida em que a realidade começa a fazer algumas exigências à sensibilidade e à competência científica dos educadores e das educadoras. Uma destas exigências tem que ver com a compreensão crítica dos educadores do que vem ocorrendo na cotidianidade do meio popular. Não é possível a educadoras e educadores pensar apenas os procedimentos didáticos e os conteúdos a serem ensinados aos grupos populares. Os próprios conteúdos a serem ensinados não podem ser totalmente estranhos àquela cotidianidade. (...) A Educação de Adultos, virando Educação Popular, se tornou mais abrangente. (...)
A prática educativa, reconhecendo-se como prática política, se recusa a deixar-se aprisionar na estreiteza burocrática de procedimentos escolarizantes. Lidando com o processo de conhecer, a prática educativa é tão interessada em possibilitar o ensino de conteúdos às pessoas quanto em sua conscientização. (...)
Dessa forma são tão importantes para a formação dos grupos populares certos conteúdos que o educador lhes deve ensinar, quanto a análise que eles façam de sua realidade concreta. E, ao fazê-lo, devem ir, com a indispensável ajuda do educador, superando o seu saber anterior, de pura experiência feito, por um saber mais crítico, menos ingênuo. O senso comum só se supera a partir dele e não com o desprezo arrogante dos elitistas por ele. (...)
Respeitando os sonhos, as frustrações, as dúvidas, os medos, os desejos dos educandos, crianças, jovens ou adultos, os educadores e educadoras populares têm neles um ponto de partida para a sua ação. Insista-se, um ponto de partida e não de chegada. (...)
Este movimento de superação do senso comum implica uma diferente compreensão da História. Implica entendê-la e vivê-la, sobretudo vivê-la, como tempo de possibilidade, o que significa a recusa a qualquer explicação determinista, fatalista da História. Nem o fatalismo que entende o futuro como a repetição quase inalterada do presente nem o fatalismo que percebe o futuro como algo pré-dado. Mas o tempo histórico sendo feito por nós e refazendo-nos enquanto fazedores dele. Daí que a educação popular, praticando-se num tempo espaço de possibilidade, por sujeitos conscientes ou virando conscientes disto, não possa prescindir do sonho. (...)
É possível vida sem sonho, mas não existência humana e História sem sonho. (...) Esta vem sendo uma preocupação que me tem tomado todo, sempre – a de me entregar a uma prática educativa e a uma reflexão pedagógica fundadas ambas no sonho por um mundo menos malvado, menos feio, menos autoritário, mais democrático, mais humano.
São Paulo, fevereiro de 1992.
Freire, Paulo, 1921 – 1997
Política e educação : ensaios / Paulo Freire. – 5. ed - São Paulo, Cortez, 2001.
(Coleção Questões de Nossa Época ; v.23)

Pelo sonho é que vamos - Sebastião da Gama
Pelo sonho é que vamos,
comovidos e mudos.

Chegamos? Não chegamos?
Haja ou não haja frutos,
pelo sonho é que vamos.

Basta a fé no que temos.
Basta a esperança naquilo
que talvez não teremos.
Basta que a alma demos,
com a mesma alegria,
ao que desconhecemos
e ao que é do dia a dia.

Chegamos? Não chegamos?
- Partimos. Vamos. Somos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário