Licensa

10/02/12

O que é cartum?

É uma narrativa humorística, expressa através da caricatura e normalmente destinada à publicação em jornais ou revistas. O cartum é uma anedota gráfica.
Seu objetivo é provocar o riso do espectador; e sendo uma manifestação da caricatura,  ele chega ao riso através da crítica mordaz, satírica, irônica e principalmente humorística do comportamento do ser humano, das suas fraquezas, dos seus hábitos e costumes.
Muitas vezes, porém, o riso contido num cartum pode ser alcançado apenas com um jogo  criativo de ideias, por um achado humorístico (que em francês se chama trouvaille) ou por uma forma inteligente de trocadilho visual. O cartunista pode recorrer às  legendas ou dispensá-las. Os cartuns sem legendas ou sem textos foram chamados,  durante muito tempo, pela imprensa brasileira, de "piada muda".
O termo cartum origina-se do inglês cartoon - cartão, pequeno projeto em escala, desenhado em cartão para ser reproduzido depois em mural ou tapeçaria. A expressão, com o sentido que tem hoje, nasceu em 1841 nas páginas da revista inglesa Punch, a mais antiga revista de humor do mundo.
CHARGE
É um cartum cujo objetivo é a crítica humorística imediata de um fato ou acontecimento específico, em geral de natureza política. O conhecimento prévio, por parte do leitor, do assunto de uma charge é, quase sempre, um fator essencial para a sua compreensão. Uma boa charge, portanto, deve procurar um assunto atual  (o que em inglês se chama "the talking of town") e buscar ir direto aonde estão centrados a atenção e o interesse do público leitor. A mensagem contida numa charge é eminentemente interpretativa e crítica e, pelo seu poder de síntese, pode ter às vezes o peso de um editorial. 
Alguns jornais da imprensa ocidental chegam mesmo a usar a charge como um editorial, sendo ela uma intérprete direta do pensamento do jornal que a publica. A charge usa, quase sempre, os elementos da caricatura na sua primeira acepção, o que nunca aconteceu com o cartum, onde os bonecos são a representação de um tipo de ser humano e não de uma pessoa específica. O termo charge vem do francês charge, carga.
Tradução do cartoon:
Menina: Tenho que lhe dizer uma coisa, senhor... Tem no seu braço uma tatuagem sem graça nenhuma. É só um montão de números.
Senhor: Bem teria a tua idade quando ma fizeram. Mantenho-a como uma recordação.
 Menina: Oh! ... Uma recordação de dias mais felizes?
Senhor: Não, de um tempo em que o mundo ficou louco.
 "Imagina-te a ti mesma num país em que os teus compatriotas seguem a voz de um político extremista que não gostava da tua religião.
Imagina que te tiravam tudo, que enviavam toda a tua família para um campo de concentração, para trabalhar como escravos, e ser assassinados sistematicamente. Nesse sitio te tiravam até o teu nome para ser substituído por um número tatuado no teu braço.
Chamou-se a isso O Holocausto, quando milhões de pessoas foram mortas só pela sua crença religiosa...”
Menina: Então tu usas essa tatuagem para recordares o perigo das políticas extremistas?
Senhor: Não, querida. É para que tu o recordes.
Passaram já mais de 60 anos, desde que terminou a 2ª Guerra Mundial na Europa. E em memória dos 6 milhões de judeus, 20 milhões de russos, 10 milhões de cristãos e 1.900 sacerdotes católicos que foram assassinados, massacrados, violados, mortos á fome e humilhados com os povos da Alemanha e Rússia olhando para o outro lado, agora, mais que nunca, com o Iraque, Irã e outros proclamando que O Holocausto é um mito, é imperativo assegurar que o Mundo nunca esqueça.

Vídeo feito para apresentação da Campanha da Fraternidade 2009. Tema: Paz


Dicotomia - Leda Guerra

Do lado de lá as melodias brotavam
E o perfume do silêncio exalava suas folhas recém nascidas
Do lado de lá o amor prometido caía sobre mim como cai
a complacente delicadeza sobre a brutalidade dos dias
Do lado de lá eu cantava como quem reza uma oração da tarde
Do lado de lá a luz do sol me saudava em promessas de primavera
Do lado de cá as minhas mãos estavam vazias
E eu contemplava essas feridas
Que jamais se transmutariam em cicatrizes
Do lado de cá eu espreitava, proibida, o lado de lá
E descobria, em mim, um desatinado coração
Amoroso e louco, vislumbrando o infinito

3 comentários:

  1. gostei muito do trabalho de vocês *__*

    PARABENS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo8.4.14

      me da seu numero ??

      Excluir
    2. Pode ser meu e-mail?

      Excluir